After School of the Earth – Vol. 01

Um misterioso fenômeno erradica praticamente toda a população do planeta, causando o colapso da sociedade. Os sobreviventes: Masashi Kawamura, um jovem comum e três meninas, Yaeko, Anna e Sanae. O dia-a-dia do quarteto é tranquilo, como se fosse “depois das aulas”, mas a ameaça dos Phantoms está sempre à espreita.

A capa de High School of the Earth é muito bonita e ela já introduz ao leitor o conceito geral por trás da história: um mundo sem ninguém. É bom ver que a editora JBC mantém o padrão de não repetir a mesma imagem em ambas as capas, embora uma sinopse faça falta. Como o volume não vem embrulhado, a mensagem do Cassius Medauar no fim da edição acaba por desempenhar um papel suplementar, mas não é a mesma coisa e provavelmente não é todo mundo que vai encontrá-la ali.

Dentro do volume, temos imagens impressas no interior das capas e páginas coloridas para brindar o leitor. A tradução e a qualidade do papel não deixam a desejar também, completando o que pode ser considerado um volume muito bom, do ponto de vista do trabalho editorial.

Já sobre a história… Nesses primeiros capítulos ela praticamente se baseia somente em mostrar um mundo sem pessoas. Em si, a premissa é bastante interessante, embora provavelmente seria mais impactante se costumássemos passar diariamente pelas ruas e bairros que são mostrados e vê-los lotados com todo tipo de gente cuidando de suas próprias vidas. Como não passamos, o início acaba por ficar bem morno, com umas poucas tentativas de comédia e fanservice que realmente não conseguem se destacar o suficiente para sustentar a série por muito mais tempo. Nisso tudo, o traço de Akihito Yoshitomi não ajuda muito pois, embora seja bem limpo, algumas vezes parece bastante artificial.

Enfim no penúltimo capítulo dessa primeira edição, a história dá uma guinada e somos finalmente apresentados aos Phantoms, a tal ameaça por trás dos desaparecimentos, até então totalmente ausente, o que realmente faz mudar para melhor o ritmo da narrativa. O último capítulo, finalmente, consegue fechar com um bom gancho, deixando o leitor curioso e fazendo com que você tenha vontade de, pelo menos, dar uma olhada em como será o próximo capítulo.

High School of the Earth gasta a maior parte do primeiro volume se aproveitando do impacto que o cenário devastado tem sobre o leitor, e isso é perdido em grande parte na gente que nunca viveu nesses lugares. Mas quando as engrenagens da história enfim começam a girar, uma expectativa de melhora surge. Se ela será atendida ou não, dependerá do segundo volume. Para você que gosta de viagem no tempo e histórias pós-apocalípticas, pode considerar válido apostar na série. Se não… Talvez seja melhor esperar para ver o que quem comprou os primeiros volumes vai dizer.

Nota: 7,0