Conhecendo Séries: Ballroom e Youkoso

De autoria de Takeuchi Tomo, publicado desde 2011 na Shonen Magazine mensal (Kodansha), com 9 volumes e em andamento.

Tatara Fujita é um estudante do ensino médio que só quer encontrar algo em que é bom, seja lá o que for. Só que ele é tão normal que até os maus elementos de sua escola já perceberam isso, fazendo dele o alvo perfeito para extorquir dinheiro. Mas tudo muda quando um dia o incrível Kaname Sengoku salva Tatara. O garoto então descobre que Sengoku é um profissional da dança de salão, e assim mergulha cada vez mais fundo nesse mundo que vai mudar sua vida para sempre!

Ballroom e Youkoso foi uma das obras indicadas no 6º Prêmio Manga Taisho em 2013 (terceiro lugar) e na 8ª edição em 2015 (sexto lugar). A série ficou em nono na categoria de leitores do sexo masculino na edição 2013 de “Kono Manga ga Sugoi! Rankings”.

Mangás de dança não são incomuns, existem vários e de diferentes tipos de dança. Mas provavelmente o motivo de Ballroom ter sido escolhido para virar anime é que além dele ser um típico shonen, publicado em uma das maiores revistas da demográfica, a “Shonen Magazine” (se bem que é a revista mensal deles), a autora precisou entrar em um longo hiato por motivos de saúde, retornando há pouco tempo. Então é provável que o anime seja para levantar novamente as vendas dos volumes.

Mas o que esperar de tal obra? Para mim a primeira coisa que me chamou atenção no mangá foi a arte. A autora mostra o movimento dos personagens de uma forma bastante artística (que as vezes até me confunde, diga-se de passagem) que causam um grande impacto visual. Fora que o character design é muito bonito.

A história é tão simples que chega ser clichê. O protagonista Tatara é o típico adolescente comum, sem qualquer característica especial ou relevante, que acaba sendo salvo por Kaname Sengoku, um dançarino profissional conhecido mundialmente. Depois de conhecer a dança de salão e ver como Sengoku é incrível, ele decide tentar dançar e assim tudo começa.

O Tatara é um garoto simples e muito esforçado, que quando está concentrado em algo consegue ficar horas nisso, sendo esse basicamente seu talento natural. Ele também tem uma boa memória, então consegue decorar os passos mesmo depois de vê-los poucas vezes. Tatara tem uma personalidade tranquila e prefere não se envolver em problemas (meio “herbívoro” até), seu maior propósito é deixar as garotas com quem ele dança o mais confortáveis possível com sua liderança, o que acaba apagando a si mesmo, sendo que o líder é aquele que deve se destacar mais.

Os outros personagens recorrentes são os “amigos/rivais” Shizuku Hanaoka e o Kiyoharu Hyoudou, que treinam no mesmo salão que Tatara. Shizuku estuda na mesma escola de Tatara no começo da história e é um dos motivos dele querer aprender a dançar. Ela o inspira e ele a vê como uma parceira perfeita, porém a garota já faz par com Kiyoharu desde que eles eram crianças. Kiyoharu é um excelente dançarino com um grande futuro pela frente, porém, assim como Sengoku, ele viu que Tatara tinha algo que poderia ser aproveitado para a dança, então o considera seu rival.

Outros personagens bastante interessantes e que aparecem depois na trama são os irmãos Gaju e Mako Akagi, também dois ótimos dançarinos desde criança que acabam causando alguns conflitos, mas se mostram muito importantes para o crescimento do protagonista.

Mais tarde, Tatara se fixa com uma parceira de dança que será sua colega de classe no ensino médio, Chinatsu Hinayama. O relacionamento com Chinatsu é o que fez Tatara mais se desenvolver, principalmente por causa da personalidade forte que ela tem. Ela também é bastante talentosa mesmo não tendo praticado dança desde cedo como os outros personagens citados.

A história é movida pelos conflitos dos personagens entre os treinos e as apresentações, principalmente porque Tatara está começando a trilhar na dança um pouco tarde comparado aos outros e ainda tem muito o que aprender se quiser seguir com isso profissionalmente. O garoto não tem muita autoconfiança e se julga bastante. Seu psicológico muitas vezes o atrapalha – principalmente se ele acaba em uma discussão com a Chinatsu – mas é totalmente compreensivo porque ele é bastante sério com a dança e quer melhorar rápido.

O mangá se desenvolve bem, com ótimas cenas de competições e crescimento dos personagens, principalmente do próprio Tatara. Eu fiquei muito empolgada lendo, acho todos os personagens bastante interessantes e é um mangá de grande potencial. Vale muito a pena dar uma chance a obra.

Procrastinação me define, mas tento viver com isso. =D